Monday, May 23A força da nossa voz!

ATUAL EC: Lionel Messi e sua 7° Bola de Ouro que não foi pela conta do Barcelona

Lionel Messi recebeu novamente o premio mais prestigiado para um jogador no futebol europeu. Trata-se do Ballon d’Or (Bola de Ouro), criada pela revista francesa France Football e que a cada temporada coroa o melhor jogador do mundo em atividade. Lembrando que desde 2016, a France Football voltou a realizar a entrega da Bola de Ouro, enquanto a FIFA criou sua própria premiação semelhante, o The Best FIFA Football Awards.

Fazendo um apurado sobre como o futebol esteve nos últimos 2 anos, com a questão de que todos os atletas no planeta tiveram que encarar a pandemia e não apenas olhando para o desempenho de cada um em meio a esse contexto, vamos falar sobre como isso impactou até a própria organizadora do prêmio, aonde a mesma na temporada passada optou por cancelar o evento, restando apenas a premiação do FIFA The Best.

E naquela ocasião, em dezembro de 2020, concedeu o premio ao polonês Robert Lewandowski, onde o mesmo em apenas 29 jogos marcou incríveis 41 gols. Números absurdos no qual Messi e Cristiano Ronaldo sempre alcançaram em algumas temporadas e foram unanimes ao vence-la em tais momentos. Mas aqui pra nós ein, o Lewa merecia também a maior premiação. Nem que fosse uma Bola de Ouro simbólica, pois ele foi artilheiro, garçom e segue levando o Bayern a grandes conquistas.

Claro que há contestações, como na temporada de 2010, em que Messi foi o vencedor da Bola de Ouro sem vencer a UEFA Champions League ou Copa do Mundo, enquanto tivemos jogadores como Wesley Sneijder, Xavi e Iniesta que não só foram espetaculares dentro de campo, como também foram campeões, e por isso, qualquer um merecia desbancar o argentino. Com CR7 podemos citar o exemplo de 2013, na qual ele teve uma temporada vendo outros jogadores do Real Madrid sendo mais decisivos do que ele próprio e muito se contesta de que Franck Ribéry merecia um pouco mais levar o prêmio de melhor do mundo naquela época.

Um detalhe interessante disso é que a premiação da Bola de Ouro deveria ser entregue na teoria ao melhor jogador do ano e não para o melhor jogador de futebol, que se fosse o caso então, Messi poderia levar em todas as temporadas e seria por isso mesmo.

O Argentino é talvez o melhor de todos os tempos, mas o futebol é detalhado e analisado pelo momento (momento esse que nunca existiu para Lionel Messi). Ele até tentou carregar o Barcelona nas costas e fez o possível para se manter no clube catalão, porém sem muita alternativa na qual todos sabem, ele precisou deixar a Espanha e migrar até Paris, aonde na principal equipe da cidade e ao lado de Neymar e Mbappé, ainda segue tentando engrenar.

E mesmo “carregando tanto animal” aonde nem Noé fez, Messi conseguiu ter bons números e jogar muito na temporada. Foram 38 jogos e 18 assistências em 48 jogos pelo Barça. Porém o seu maior momento sem dúvida foi vencer a Copa América pela seleção Argentina, tirando um peso enorme das costas pelo desempenho nos últimos anos nesta mesma competição e encerrando o jejum dos hermanos de 28 anos sem um título importante. Ele fez apenas 4 gols e deixou a desejar na grande final contra a seleção Brasileira, então chegamos a um ponto G de mais uma questão: apenas uma Copa América pode levar um jogador a ser o melhor do mundo?

Neste ano a revista France Football até ampliou a votação da premiação para mais jornalistas de quase 180 países, o que pode trazer caráter e análises mais em tom popular do que propriamente por jornalistas que são especialistas. O comitê de votação costumava ser formado por profissionais que acompanham todos os dias e tornam disto a sua vida, respirando e vendo tudo de perto (inclusive indo aos jogos). Isto na minha opinião acarreta em uma votação com mais apenas “fás”, do que gente que faz o futebol acontecer de verdade, o que claramente pode levar a votações duvidosas sobre a premiação.

Lewandowski certamente teria vencido a premiação no ano passado, se ela não tivesse sido cancelada. Mas em 2021 ele continuou no mesmo ritmo, inclusive quebrando um recorde histórico de gols na temporada do futebol alemão que pertencia a Gerd Muller. Apesar de tudo, neste ano o polonês ficou com o premio de melhor atacante do ano. Certamente e nitidamente, um mero premio de consolação.

Após a cerimonia de premiação, o próprio Lionel Messi admitiu: “Ganhei por causa da Copa América” e ainda destacou que Lewa merecia receber a bola de Ouro que não existiu do ano passado. Então meus amigos essa é a maior premiação individual do futebol mundial, sempre bela e cobiçada, porém ao mesmo tempo bem confusa na determinação de escolha para o grande vencedor.

Leave a Reply

Your email address will not be published.